Notícias


Produto químico vaza de empresa de alimentos e mata dezenas de peixes


31/10/2017 10:15:11

Após as águas do Rio Castelo, em Cachoeiro de Itapemirim, ficarem com a cor avermelhada e centenas de peixes aparecerem mortos, o Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema) iniciou uma investigação que apontou a presença de cloreto férrico na extensão do rio.

Agentes do Iema rastrearam a contaminação e chegaram à conclusão de que o despejo foi feito por uma empresa de alimentos de Castelo. A substância é utilizada para tratamento de efluente. “A empresa será intimada para apresentar um relatório com uma análise completa desse produto e os efeitos nocivos para o meio ambiente. O Iema adotará todas as medidas administrativas cabíveis para que a empresa responda pela infração ambiental cometida”, informou o instituto.

A contaminação foi registrada neste fim de semana, mas, ainda na manhã desta segunda-feira (30) era possível ver uma espuma no tom alaranjado pelo rio Castelo.

O abastecimento na região não foi prejudicado, mas problema é investigado pelos órgãos ambientais

O pedreiro Joelson Louzada conta que o filho nadava no rio quando tudo aconteceu. “Entre 4h30 e 5h a água começou a ficar vermelha e meu menino estava aqui dentro, mergulhando. A água estava limpinha. Quando ele percebeu, começou a ficar pinicando e foi tomar banho logo. E, foi cada vez ficando pior. Peixes ficaram ‘loucos’, parece que pedindo socorro”, contou.

A Defesa Civil do município e a Secretaria de Meio Ambiente de Castelo informaram que o rio não foi afetado dentro da cidade, por isso o abastecimento está normal. Além disso, informaram que uma amostra de água foi coletada para análise e investigam o que aconteceu.

Na noite deste domingo (29), a concessionária do serviço de água, a BRK Ambiental, interrompeu preventivamente a captação na Estação de Tratamento de Água (ETA) de Conduru, distrito de Cachoeiro. Mas o serviço voltou ao normal nesta segunda-feira, após a concessionária realizar uma série de testes que indicaram que a água no rio já estava dentro dos padrões para seguir para tratamento.

 

Fonte: Gazeta Online